terça-feira, outubro 31, 2006

Intertexto?

The Haunted Palace

Poem lyrics of The Haunted Palace by Edgar Allan Poe.

In the greenest of our valleys
By good angels tenanted,
Once a fair and stately palace -
Radiant palace - reared its head.
In the monarch Thought's dominion -
It stood there!
Never seraph spread a pinion
Over fabric half so fair!

Banners yellow, glorious, golden,
On its roof did float and flow,
(This - all this - was in the olden
Time long ago,)
And every gentle air that dallied,
In that sweet day,
Along the ramparts plumed and pallid,
A winged odor went away.

Wanderers in that happy valley,
Through two luminous windows, saw
Spirits moving musically,
To a lute's well-tuned law,
Round about a throne where, sitting
(Porphyrogene!)
In state his glory well-befitting,
The ruler of the realm was seen.

And all with pearl and ruby glowing
Was the fair palace door,
Through which came flowing, flowing, flowing,
And sparkling evermore,
A troop of Echoes, whose sweet duty
Was but to sing,
In voices of surpassing beauty,
The wit and wisdom of their king.

But evil things, in robes of sorrow,
Assailed the monarch's high estate.
(Ah, let us mourn! - for never morrow
Shall dawn upon him desolate!)
And round about his home the glory
That blushed and bloomed,
Is but a dim-remembered story
Of the old time entombed.

And travellers, now, within that valley,
Through the red-litten windows see
Vast forms, that move fantastically
To a discordant melody,
While, like a ghastly rapid river,
Through the pale door
A hideous throng rush out forever
And laugh - but smile no more.

Halloween " à portuguesa"

O NOIVADO DO SEPULCRO

BALADA
SOARES DOS PASSOS

Vai alta a lua! na mansão da morte
Já meia-noite com vagar soou;
Que paz tranquila; dos vaivéns da sorte
Só tem descanso quem ali baixou.

Que paz tranquila!... mas eis longe, ao longe
Funérea campa com fragor rangeu;
Branco fantasma semelhante a um monge,
D'entre os sepulcros a cabeça ergueu.

Ergueu-se, ergueu-se!... na amplidão celeste
Campeia a lua com sinistra luz;
O vento geme no feral cipreste,
O mocho pia na marmórea cruz.

Ergueu-se, ergueu-se!... com sombrio espanto
Olhou em roda... não achou ninguém...
Por entre as campas, arrastando o manto,
Com lentos passos caminhou além.

Chegando perto duma cruz alçada,
Que entre ciprestes alvejava ao fim,
Parou, sentou-se e com a voz magoada
Os ecos tristes acordou assim:

"Mulher formosa, que adorei na vida,
"E que na tumba não cessei d'amar,
Por que atraiçoas, desleal, mentida,
"O amor eterno que te ouvi jurar?

"Amor! engano que na campa finda,
"Que a morte despe da ilusão falaz:
"Quem d'entre os vivos se lembrara ainda
"Do pobre morto que na terra jaz?

"Abandonado neste chão repousa
"Há já três dias, e não vens aqui...
"Ai, quão pesada me tem sido a lousa
"Sobre este peito que bateu por ti!

"Ai, quão pesada me tem sido!" e em meio,
A fronte exausta lhe pendeu na mão,
E entre soluços arrancou do seio
Fundo suspiro de cruel paixão.

"Talvez que rindo dos protestos nossos,
"Gozes com outro d'infernal prazer;
"E o olvido cobrirá meus ossos
"Na fria terra sem vingança ter!

– "Oh nunca, nunca!" de saudade infinda
Responde um eco suspirando além...
– "Oh nunca, nunca!" repetiu ainda
Formosa virgem que em seus braços tem.

Cobrem-lhe as formas divinas, airosas,
Longas roupagens de nevada cor;
Singela c'roa de virgínias rosas
Lhe cerca a fronte dum mortal palor.

"Não, não perdeste meu amor jurado:
"Vês este peito? reina a morte aqui...
"É já sem forças, ai de mim, gelado,
"Mas inda pulsa com amor por ti.

"Feliz que pude acompanhar-te ao fundo
"Da sepultura, sucumbindo à dor:
"Deixei a vida... que importava o mundo,
"O mundo em trevas sem a luz do amor?

"Saudosa ao longe vês no céu a lua?
– "Oh vejo sim... recordação fatal!
– "Foi à luz dela que jurei ser tua
"Durante a vida, e na mansão final.

"Oh vem! se nunca te cingi ao peito,
"Hoje o sepulcro nos reúne enfim...
"Quero o repouso de teu frio leito,
"Quero-te unido para sempre a mim!"

E ao som dos pios do cantor funéreo,
E à luz da lua de sinistro alvor,
Junto ao cruzeiro, sepulcral mistério
Foi celebrada, d'infeliz amor.

Quando risonho despontava o dia,
Já desse drama nada havia então,
Mais que uma tumba funeral vazia,
Quebrada a lousa por ignota mão.

Porém mais tarde, quando foi volvido
Das sepulturas o gelado pó,
Dois esqueletos, um ao outro unido,
Foram achados num sepulcro

Para quem, como eu, gosta de coisas bonitas...

... a não perder, em Gaia, este fim de semana...

http://www.flickr.com/photos/pontosdeluz/274524910/

segunda-feira, outubro 30, 2006

Linguistics in real life

The New York Times - Opinion

Op-Ed Contributor
Staying the Course Right Over a Cliff

By GEORGE LAKOFF
Published: October 27, 2006


Berkeley, Calif.

THE Bush administration has finally been caught in its own language trap.

“That is not a stay-the-course policy,” Tony Snow, the White House press secretary, declared on Monday.

The first rule of using negatives is that negating a frame activates the frame. If you tell someone not to think of an elephant, he’ll think of an elephant. When Richard Nixon said, “I am not a crook” during Watergate, the nation thought of him as a crook.

“Listen, we’ve never been stay the course, George,” President Bush told George Stephanopoulos of ABC News a day earlier. Saying that just reminds us of all the times he said “stay the course.”
What the president is discovering is that it’s not so easy to rewrite linguistic history. The laws of language are hard to defy.

“The characterization of, you know, ‘it’s stay the course’ is about a quarter right,” the president said at an Oct. 11 news conference. “ ‘Stay the course’ means keep doing what you’re doing. My attitude is, don’t do what you’re doing if it’s not working — change. ‘Stay the course’ also means don’t leave before the job is done.”

A week or so later, he tried another shift: “We have been — we will complete the mission, we will do our job and help achieve the goal, but we’re constantly adjusting the tactics. Constantly.”
To fully understand why the president’s change in linguistic strategy won’t work, it’s helpful to consider why “stay the course” possesses such power. The answer lies in metaphorical thought.

Metaphors are more than language; they can govern thought and behavior. A recent University of Toronto study, for example, demonstrated the power of metaphors that connect morality and purity: People who washed their hands after contemplating an unethical act were less troubled by their thoughts than those who didn’t, the researchers found.

“Stay the course” is a particularly powerful metaphor because it can activate so many of our emotions. Because physical actions require movement, we commonly understand action as motion. Because achieving goals so often requires going to a particular place — to the refrigerator to get a cold beer, say — we think of goals as reaching destinations.

Another widespread — and powerful — metaphor is that moral action involves staying on a prescribed path, and straying from the path is immoral. In modern conservative discourse, “character” is seen through the metaphor of moral strength, being unbending in the face of immoral forces. “Backbone,” we call it.

In the context of a metaphorical war against evil, “stay the course” evoked all these emotion-laden metaphors. The phrase enabled the president to act the way he’d been acting — and to demonstrate that it was his strong character that enabled him to stay on the moral path.

To not stay the course evokes the same metaphors, but says you are not steadfast, not morally strong. In addition, it means not getting to your destination — that is, not achieving your original purpose. In other words, you are lacking in character and strength; you are unable to “complete the mission” and “achieve the goal.”

“Stay the course” was for years a trap for those who disagreed with the president’s policies in Iraq. To disagree was weak and immoral. It meant abandoning the fight against evil. But now the president himself is caught in that trap. To keep staying the course, given obvious reality, is to get deeper into disaster in Iraq, while not staying the course is to abandon one’s moral authority as a conservative. Either way, the president loses.

And if the president loses, does that mean the Democrats will win? Perhaps. But if they do, it will be because of Republican missteps and not because they’ve acted with strategic brilliance. Their “new direction” slogan offers no values and no positive vision. It is taken from a standard poll question, “Do you like the direction the nation is headed in?”

This is a shame. The Democrats are giving up a golden opportunity to accurately frame their values and deepest principles (even on national security), to forge a public identity that fits those values — and perhaps to win more close races by being positive and having a vision worth voting for.

Right now, though, no language articulating a Democratic vision seems in the offing. If the Democrats don’t find a more assertive strategy, their gains will be short-lived. They, too, will learn the pitfalls of staying the course.

George Lakoff, a professor of linguistics at the University of California, Berkeley, and a senior fellow at the Rockridge Institute, is the author of “Thinking Points: Communicating Our American Values and Vision.” He is particularly interested in cognitive linguistics. Although some of his research involves questions traditionally pursued by linguists, such as the conditions under which a certain linguistic construction is grammatically viable, he is most famous for his ideas about the centrality of metaphor to human thinking, political behavior and society. He is particularly famous for his concept of the "embodied mind" which he has written about in relation to mathematics. In recent years he has applied his work to the realm of politics, and founded a progressive think tank, the Rockridge Institute.

domingo, outubro 29, 2006

"Para onde nos atrai o azul?"

Para fora da cama. Às oito e meia na única manhã do ano em que durmo mais. A primeira do horário de Inverno. Depois de um recolher halloweenesco necessariamente tardio.
Para Portugal. Por uma chamada perdida, um voicemail e uma sms. De Parabéns. Polidos. Encarnados. Doces, fortes e suaves. Bons. Como uma nuvem.
Para a minha casa no Porto. Para as minhas descidas ate às Antas, o meu acelerar até ao Dolce Vita, - por entre cachecóis, bandeiras, brejerices e um mar de gente -, coração nas mãos, nos pulsos, na garganta, na cabeça, nas pernas, e o faltar-me o fôlego e as forças para prosseguir e entrar... no mais bonito estádio do mundo.
Para o único desporto-equipa-colectivo-grupo que me desperta a paixão. De sempre. Para sempre. Em estado puro.
Para a adolescência. Olhos grandes, castanhos, colados à televisão, outrora, numa cozinha distante. Para os sobressaltos, gritos (ou berros?) que o poder parental, supreendido e assustado, não entendia.
Para o melhor de mim.
"Para onde nos atrai o azul?" Guimarães Rosa

sábado, outubro 28, 2006

Abóboras por todo o lado

The only PUMPKINS I really like.
Apesar de o dia próprio só ser na próxima terça-feira, Haloween has been in town for some time now. Ele é abóboras por todo o lado, à soleira da porta, à janela, debaixo do alpendre, ele é teias imensas e respectivos aracnídeos gigantes nos portões, ele é espantalhos no quintal, ele é fantasmas nos degraus da entrada, ele é saquinhos de rebuçados e outros treats nos mesmos degraus, ele é bruxas narigudas de verrugas proeminentes à porta, ele é caveiras e esqueletos under the porch… pelo menos no meu block, ou melhor nos três blocks do meu neighborhood.
Ontem convenceram-me a ir a uma Halloween Party. Convenceram-me não tanto pelos argumentos: Jo, in America, be american, it´ll be fun, you have to go, mas mais pela exaustão: I´ll find you this amazing costume and we don´t need to be there the whole time and you don´t need to drink and you get to see me dressed like crazy and you get to see and try to guess other people´s costumes! It´ll be fun, you´ll have a good time, I promise! Não me restou outra hipótese: Ok, ok, you win, I go. Mesmo sabendo que o good time vai passar-me exactamente ao lado enquanto aturo all night long o (ou os…) "halloweener" mais bêbado, mais meloso, mais aborrecido e mais tarado do campus. Para não variar. No, no, that won´t happen, I´m sure. One more reason for you to come: I´ll prove you wrong! Seria a primeira vez, nestas circunstâncias. A ver vamos.
Não percebo bem o porquê de toda esta agitação – a mesma que eu sinto no Natal! Não percebo, porque não sou de cá, dizem-me. Porque não há nada mais divertido do que uma Halloween Party, costume guessing, it´s so fun! Os americanos pelam-se por um bom disfarce. (Aproveitam toda e qualquer ocasião para isso, pelo que me é dado a entender). E o Halloween é a sublimação disso pelo jogo, às vezes de palavras ou conceitos, gerado à volta do disfarce. Alguns até queriam que fosse feriado! Percebi hoje ao almoço. Um almoço por acaso muito descontraído em que os senhores físicos se divertiram a idealizar o perfect costume para a minha pessoa. Quem me manda a mim ir almocar com eles?! O Manel, pois, o Manel, a língua e as saudades!... Ora, americanos, indiano, grego, suíço e até o português (ai Manel, se te apanho...!), unanimente: Cat. Imagine-se! Eu!... que, além de tudo o mais, antipatizo solenemente com felinos. (Já para nem sequer pensar no jogo de ideias subjacente à fantasia que ninguém me quis explicar!)
Enfim, o que vale é que a Jo na América não é american, nem european, nem portuguese, nem sequer madeiran. A Jo na América é a Joana and that´s all. Às vezes um bocadinho disso tudo, às vezes nada disso, às vezes muito mais que isso, ou muito menos, depende. A Jo nao é de todo uma Halloween person e hoje assustou-se a valer... assustou-se porque, às sete e meia da manhã, quando caminhava around the block, ouviu do meio do nada uma voz, profundamente metálica e trocista, que dizia: Helloooo, it´s meeeee!!! (Scary.) A Jo costuma dizer Hello, how are you doing? a todos os vizinhos que encontra no já habitual périplo matinal, mas não reconheceu aquela voz; além do que nunca nenhum deles lhe diz mais do que: Doing pretty good and you? A Jo volta-se para ver who the hell is the smart ass e dá de caras com um esqueleto de falanges acenantes… A Jo ri-se o resto do caminho e começa a pensar em excentricidades e extravagâncias... Americanices! Esqueletos falantes que acenam, disfarces repletos de insinuações, planeados com extremo cuidado e semanas de antecedência, willy wonkas, corpse brides, jack the rippers, bolas de cristal, um vaso enorme cheio com olhos – aparentemente humanos, mas de vidro – que bailam num líquido branco, ao lado de outro vaso enorme, cheio até ao topo de rebuçados, chocolates; abóboras nos jardins sob a forma de luzinhas minúsculas, abóboras reais, pumpkin picking, pumpkin buying, pumpkin carving, pumpkin feeding (os animais do jardim zoológico de cá são alimentados à base de abóboras nesta quadra), pumpkin pie ontem na recepção pós-colóquio departamental, pumpkin candles, pumpkin scent, pumpkin body lotion.
Pumpkin Body Lotion for the Holidays! podia ler-se, há umas boas duas semanas, na montra da Body and Bath. Lá dentro, na área central da loja, o destaque era evidente: um arranjo magnífico, composto de várias embalagens da mesma. Não consegui disfarçar o meu espanto. O meu irmão é que tem razão: sou muito gullible, passo o tempo a surpreender-me. E o pior nem é isso, o pior é não conseguir disfarçar. Resultado: Lá veio a senhora da loja, solícita como de costume, com o sorriso típico de quem me conhece desde sempre, aproveitar a brechazinha entre a surpresa e o espanto para convencer a gullible Jo. Wrong, wrong, wrong: dificilmente se deixa convencer. A Jo. Apesar de todos os you should try it, it´s the must-have for these holidays (leia-se “as festas”, neste caso o Halloween.) I know you´re a “Vanilla girl”, but just try it. (“Vanilla girl?” Não é que me conhece mesmo?! Já é a segunda pessoa esta semana a sublinhar o mesmo. Estes americanos são muito olfactivos, pensei, ao recordar a primeira pessoa. (Creepy.) A primeira pessoa foi o senhor da caixa da 13th Street Store, num Lunch break qualquer do início da semana. Enquanto eu pagava, o homenzito, americano típico, boné dos Texas Longhorns, cabelo pelos ombros e barba de dias, disparava para o ar, assim como quem não quer a coisa: No perfume today, huh? E eu, primeiro que percebesse que estava a falar comigo… levei um bocadinho mais que uma eternidade (!), depois finalmente: Sorry? Ele, agora directo, à procura de uma explicação bem no fundo dos meus olhos: No perfume today!? Eu: Perfume? Today? I never wear perfume, don´t like it, it makes me sick. Ele: Oh really, what about that scent… Eu, hesitante entre o divertida e o assustada: Scent… Vanilla scent? Ele: Yeah, that´s the one, I've been trying for ages to figure out which… Eu, explicativa: That´s body lotion, and no, this morning I was running late, forgot to put it. Ele, desconsolado: Too bad!… too bad for you and for me... Eu agradeci o troco. Sorriso esforçadamente educado e pernas para que vos quero!
Bem, escusado será dizer que com a vendedora uma vez mais não resisti à small talk. Então, just testing: “Vanilla girl?” Well, I believe I’m also a “Cherry Blossom girl”, a “Gardenia girl”, even a “Passion Fruit girl”… Yes, dear, but you’re a “Vanilla girl” and it´s not just because that´s the lotion you buy the most, it´s you, everything about you, hun!... Ora querem ver que a vendedora é psychic também!? De qualquer maneira, facilitou-me a vida: Well then you certainly know I’m not the Pumpkin type!, rematei.
Será que o homenzito da servery aguarda ansiosamente por um pumpkin scent por estas alturas?
Que scent exalará a Cat dos físicos?
Scary. Creepy. Just like Halloween

sexta-feira, outubro 27, 2006

O melhor de um dia assim...

é sentir isto...

... ao ouvir isto

Rice Symphonic Band - Fall Concert

Program

March of the Belgian Parachutists
Pieter Leemans
October
Eric Whitacre
Second Suite in F, Op. 28, No.2
I. March
II. Song without Words "i'll love my love"
III. Song of the Blacksmith
IV. FAntasia on the "dargason"
Gustav Holst
Pageant
Vincent Persichetti
Contre qui, Rose
Morten Lauridsen
Suite from the Ballet The Firebird
Finale
Igor Stravinsky
America First
Jonh Philip Sousa

quinta-feira, outubro 26, 2006

"act of God" by JJ

Proteia vermelha
um abraço
um bebé
uma proteia
um gesto inesperado
um peixinho dourado num aquário redondo
um gelado de baunilha
um segredo ao ouvido
um beijo com o olhar
um olhar
uma joaninha ou uma borboleta
um bom livro
um sorriso
uma tarde de sol
um amigo
pérolas de orvalho numa folha verde
um reencontro
uma música que faz sonhar
um bolo acabadinho de fazer
...
Os Americanos têm um deus mau!
Prefiro o Meu.

quarta-feira, outubro 25, 2006

A melhor do dia... nos Correios online!

Terms and Conditions of the USPS for shipping a package to anywhere in the world: (...)

WE ARE NOT LIABLE FOR
12. Delayed Shipments: We will make our best effort to deliver your shipment according to our regular delivery schedules. Except as provided in Paragraph 15 below, USPS, FedEx Express, and/or their agents are not liable for any losses or damages caused by delays, even if they are our fault, in picking up, transporting (including delays caused by diversions), or delivering a shipment.

13. Circumstances Beyond Our Control: We are not liable if a shipment is lost, misdelivered, damaged, or delayed because of circumstances beyond our control. These circumstances include: terrorist activity; strikes; labor actions; an “act of God,” for example an earthquake, cyclone, storm, or flood; “force majeure,” for example war, plane crash, or embargo; import/export clearance delays; any defect or characteristic to do with the nature of the shipment, even if known to us when we accepted it; or any action or omission by anyone outside USPS, FedEx Express, or their agents, for example the sender of the shipment, the recipient, or an interested third party, customs or government officials, or other carriers or third parties with whom we contract to deliver to destinations that we do not serve directly. We are not liable even if you, the sender, did not ask for or know about a third-party delivery. We are also not liable for electrical or magnetic damage to, or erasure of, electronic or photographic images or recordings.

(...)

terça-feira, outubro 24, 2006

Megalomanias

Cá a primeira aula do dia começa às 9.25 da manhã, duas horas depois de tudo no campus já estar a funcionar a todo o gás. Cá o ensino superior é um El Dorado em termos de elegibilidade para frequência de cadeiras (alunos de Direito, Biologia e Engenharia fazem Linguística comigo). Cá o professor parte do mesmo ponto para onde se dirige: do e para o raciocínio, da e para a associação, do e para o quotidiano e da e para a prática. Cá os alunos são seleccionados individualmente. Pela inteligência, pelo trabalho e pela capacidade de sobressair do grupo. Cá trabalha-se muito, das 7.30 da manhã às 4.30 institucionalmente, das 8.00 às 20.00 efectivamente.
Cá chegou finalmente o Outono e com ele chegaram os pijamas à aula. Porque as residências dos undergraduates ficam mesmo across the street from our department. Já tinha dado pelo inusitado o ano passado, numa das duas semanas de Inverno que tivemos; deparei-me com um bando deles assim: um de roupão, outro enrolado numa manta, outro ainda arrastando um cobertor campus fora. Nunca tinha presenciado. Até hoje, até há pouco. Chego à aula, em cima da hora - é verdade -, sento-me, por acaso desta vez ao lado do aluno mais interveniente, e antes mesmo de abrir o caderno, de certo reflexivamente, olho para o lado, à força de me parecer ter vislumbrado algo semelhante um bagel na mão do dito e de ter ouvido os sons típicos da mastigação de boca aberta.
Então não é que a estrela da classe estava a comer um bagel ao mesmo tempo que interpelava o professor, ria e, divertido, piscava o olho à minha estupefacção. Retribuo com um sorriso ensonado e amarelo; olho, não sei porquê, para baixo. Pijama. Pijama?! Pijama. Viro-me para o outro lado: uma rapariga com o cabelo mais desgrenhado que a Maga Patalógica furibunda está sentada em posição tipicamente oriental, mas em cima da cadeira, havaianas no chão, ao lado da mochila. (Não temos secretárias, mas aquelas cadeiras com uma mesita de lado). E está tudo dito.
Tive sorte uma vez que, além da mastigação ruidosa e da visão psicadélica de umas calças de pijama de gosto kitsch e de um buda de oms por vir, assustadoramente emagrecido, caucasiano e feminino, os meus sentidos, nomeadamente o olfacto, não detectaram mais nada. Tive sorte, nem sempre é assim, dizem-me.
O El Dorado académico de cá é tão livre, tão livre, de pré-juízos e pré-conceitos, so open-minded, ready, willing and able and at your disposal, que a diferença entre a sala de aula e a cozinha lá de casa, ou da residência, é, pelo que vejo, mínima: havaianas de lado, pijama vestido e bagel na mão (e subsequente deglutição através de sonora mastigação).
Esta Universidade faz gala em ser um sítio acolhedor “…onde todos se devem sentir em casa e a Instituição congratula-se em permitir dessa forma a todos o pretendido desabrochar pessoal e profissional.” Todos os Departamentos têm, para uso exclusivo do ensino graduado, uma cozinha! (A nossa, excelentemente equipada por sinal, apesar de não termos televisão - como no Departamento de Inglês). E tudo isso faz-me imensa confusão.
A meio da aula, o pijama já se tinha transformado num par de calções, por meio de arragaço e enrolamento (naturalmente desfeitos à saída); a meditação continuava, acerca de questões de Polissemia ou não. Sei lá.
É claro que eu venho de um país, pequeno e tacanho, onde se trabalha das 10.00 às 15.00, ao computador, a jogar damas; de um país onde as aulas, no Básico, começam às 8.00 da manhã, se o professor não se atrasar; às 8.10 se o trânsito permitir; às 9.00, no Superior, se o professor não se tiver esquecido da aula, ou não comparecer, pura e simplesmente. De um país onde os Departamentos são gabinetes, a maior parte das vezes partilhados por três professores, em média. De um país onde os alunos são seleccionados em virtude de um somatório, absolutamente ridículo, entre uma média (hilariante para o caso das Humanidades ou, paradoxalmente, da Medicina!), quantas vezes forjada via ensino Recorrente, e uns exames designados de nacionais (pela estupidez e pela sensaboria subjacentes, com certeza!); um país só de especialistas, de todas as áreas, que carecem dos mais básicos conhecimentos linguísticos e matemáticos.
Se calhar é esse país, pequeno e tacanho, esse daí, que me lavou o cérebro e me leva a estranhar o que vi há pouco.
Porque se o campus é a casa, a casa é o quê?
Se a aula é a cozinha, a cozinha é o quê?
E o professor?
Será que os artigos são guardanapos e os livros pratos?
E amanhã no mercado de trabalho, estes miúdos vão de pijama e gravata, meiita e pantufa? Roupão ou sobretudo?
E levam os projectos, os estudos de mercado e os dossiers, onde? No saco do lixo?
Perguntas pequenas e tacanhas. Dizem-me. Estes miúdos são geniais. Dizem-me. (Muito inteligentes e trabalhadores serão, com certeza. Digo eu.) Só fazem o que os pais antes deles fizeram. Dizem-me. It's the american way of life. Não têm vergonha, nem pejo, nem complexos, nem culpas. O mundo é deles!

Possivelmente. E isso explica muita coisa.

Quando a metrópole é demasiado "pequena"


Lalo de Almeida for The New York Times
A boy reads a page by the Brazilian writer João Guimarães Rosa at the Museum of the Portuguese Language.
... para ser pátria de uma língua tão "grande", acontece isto.

The New York Times - Americas
By LARRY ROHTER
Published: October 23, 2006

São Paulo Journal
At Long Last, a Neglected Language Is Put on a Pedestal

SÃO PAULO, Brazil — More people speak Portuguese as their native language than French, German, Italian or Japanese. So it can rankle the 230 million Portuguese speakers that the rest of the world often views their mother tongue as a minor language and that their novelists, poets and songwriters tend to be overlooked.
An effort is being made here in the largest city in the world’s largest Portuguese-speaking country to remedy that situation. The Museum of the Portuguese Language at Estação da Luz SP, with multimedia displays and interactive technology, recently opened here, dedicated to the proposition that Portuguese speakers and their language can benefit from a bit of self-affirmation and self-advertisement.

“We hope this museum is the first step to showing ourselves, our culture and its importance to the world,” said Antônio Carlos Sartini, the museum director. “A strategy to promote the Portuguese language has always been lacking, but from now on, maybe things can take another path.”

The museum, which opened in March, has already become the most widely visited in Brazil, drawing schoolchildren and scholars as well as tourists from Brazil and Portuguese-speaking countries in Africa.

In the interests of linguistic harmony and unity, it sidesteps a basic issue: whether dominion over the language ultimately rests with the country where it was born or this rambunctious, overgrown former colony where it is most widely spoken.

George Bernard Shaw once described the United States and Great Britain as “two countries divided by a common language.” Much the same could be said about Brazil, with its 185 million people, and Portugal, with barely 11 million.

The issue is not just the contrast between the mellifluous, musical accent of Brazil — “Portuguese with sugar,” in the words of the 19th-century realist Eça de Queiroz — and the clipped, almost guttural sound in Portugal. There are also marked differences in usage that have traditionally led to misunderstandings and provided fodder for jokes.

In Portugal, for example, a word for a line (the waiting kind) is to Brazilians a derogatory slang term for a homosexual. A Portuguese word for a man’s suit of clothes means a fact or piece of information in Brazil.

Some purists in Portugal object to the slangy, colorfully casual version of the language that is spoken here and increasingly spread abroad through Brazilian telenovelas, or soap operas. They regard such informality as unworthy of the language of Camões, the 16th-century poet whose seafaring epic “Os Lusíadas” is often compared to the masterpieces of Homer and Dante.

“That’s certainly not my reading,” Maria Isabel Pires de Lima, Portugal’s culture minister, said, though, when she visited the museum in August with José Sócrates Carvalho Pinto de Sousa, her country’s prime minister. “Language is a living instrument, always moving, evolving and changing, so I don’t see this phenomenon as pejorative. On the contrary, telenovelas are an important tool in creating more awareness of the Portuguese language and culture.”

In 1996, Brazil and Portugal joined with five African nations — Angola, Cape Verde, Guinea-Bissau, Mozambique and São Tomé and Príncipe — to found the Community of Portuguese-Language Countries. Portuguese was recently designated an official language of the Organization of African Unity as a result of the community’s efforts. Leaders think that more can be done and hope that Brazil can lead the way.

“One of our objectives is to disseminate Portuguese so that it has greater visibility in international organizations,” José Tadeu Soares, deputy director general of the group, said in a telephone interview from its headquarters in Lisbon. “But aside from Brazil and Portugal, the other countries have only been independent for 25 or 30 years and don’t have the resources to project themselves on the world stage the way Brazil can.”

Though the group recently granted observer status to China, where the language still has official standing in Macao, Portuguese is fading there and in places like Goa, Damão and Diu in India, three other former colonial outposts. But when East Timor obtained its independence from Indonesia in 2002 and joined the community, that inspired an outpouring of sympathy and support from Portuguese-speaking countries.

“For the Timorese, Portuguese is a way of asserting their identity vis-à-vis Indonesia, and, for that matter, even Australia,” Luiz Fernando Valente, director of the Department of Portuguese and Brazilian Studies at Brown University, said in a telephone interview from Providence, R.I.
But, he added, the aspiration of some Portuguese-speakers to see their language gain official status at the United Nations is probably beyond reach. “Portuguese is a global language, spoken on every continent,” he said, “but it is not an international language, used in diplomacy and business the way that French is, and I don’t know if that problem is solvable.”

Mr. Sartini, the museum director, said the museum planned to send roving exhibitions abroad, to disseminate Portuguese language and culture. Ideally, he said, such displays would visit not only Portuguese-speaking countries but also those, like the United States, with Portuguese-speaking minorities.

The largest and oldest United States enclave is around Providence, R.I., and Fall River and New Bedford, in southeastern Massachusetts. There are others, in the Central Valley of California, around Fresno, for example, as well as in southern Florida and Newark.

At a literary festival near here in August, though, the Anglo-Pakistani writer Tariq Ali was quoted in the local press as saying that only three languages are assured of surviving to the end of this century: English, Chinese and Spanish. Even José Saramago, the Portuguese novelist and Nobel laureate who lives mostly in Spain, has fretted publicly over the possibility of Portuguese being overwhelmed by English and Spanish.

Spanish-speakers have sometimes jokingly dismissed Portuguese as simply “Spanish, badly spoken.” But because of Brazil’s huge size and dynamic economy, cities like Buenos Aires and Santiago, in neighboring countries, are now awash in fliers and billboards offering Portuguese language courses.

“For 850 years, our neighbors next door have been saying that there is no future for Portuguese,” said Mr. Soares, of the community, referring to Spain. “But here we are, still. The dynamic for the language may come from Brazil, but there is no doubt in my mind that Portuguese as a language will remain viable.”

segunda-feira, outubro 23, 2006

Empatámos.

"Num jogo recheado de cautelas, os golos apareceram carimbados por graves erros defensivos."

Ontem tudo me fez pensar em ti.
O dia: Domingo. O teu escape das minhas zangas: a Bola. A jornada. O derby. Dos nossos clubes. A época passada. Uma aposta e um poema. Nós. O telefonema da minha mãe. A conversa do meu pai. Até as minhas conversas no Messenger! O derby passado. Uma aposta e um poema. Nós. O derby actual. De ontem. E o de sempre. Nós. Empate.
Lembras-te do Poema, o poema a mim, o já célebre, o da aposta…? O que eu nunca cheguei a ler, lembras-te? Penso muitas vezes nesse poema. E em nós. Eu a forçar-te a mo dares, a bem, a mal, com a aposta, sem a aposta; tu a esquivares-te por detrás de uma perda casual, da aposta, do esquecimento ou de um nós que tu vês sempre no Futuro do Indicativo e eu não, nem no Condicional já.

Penso muitas vezes nesse poema perdido. No quanto isso é nós.
Eu a forçar, tu a esquivares-te. Eu a provocar, tu a não entenderes. Eu a zangar-me, tu a mudares de assunto. Para a Bola. Eu a não ouvir, a explicar, tu a não perceberes. Num jogo recheado de cautelas. Penso, por vezes, que a culpa foi minha. Disse demasiado. Expus-me demasiado. Pensei demasiado. E acabei por acreditar demasiado. Também. Graves erros defensivos. O excesso saiu-me caro. O excesso saiu-nos caro.
Depois recuo até à infância, recordo os meus nove, dez, doze anos... E lembro-me de quando o Amor era simples. De quando qualquer palavra grave acentuada no 'i' (e.g. saía...) me dava um baque pela paronímia com o nome de um ídolo humano que eu perfectizei e tornei deus, e que, acreditava, ia amar sempre - no presente. De como nessa altura era o sonho que projectava o futuro. Sempre no presente.
Agora nada é assim. Simples.
O Amor vem com um jogo psicológico anexo. Um combate emocional incessante, tortuoso e abominável, de avanços e recuos. De arranques sem objectivos que não sejam a manutenção do nós. No teu perímetro de segurança. Naquilo que chamas de "a nossa Amizade".
O Tempo descartou o sonho do presente e só o concebe se articulado com um passado e um futuro. De outras pessoas, prioridades e opções. Agora, o Tempo é real, (de)limitado, sóbrio, cinzento, sensabor, extenuante.
Ontem foi tão óbvio e natural, tão esperado e claro, tão límpido... que nem doeu.
Empatámos.
Nós.
Também.

domingo, outubro 22, 2006

De dois difíceis prazeres

Comer e dormir. Bem.
Poucas coisas me darão maior prazer do que comer e dormir bem. Agora. No entanto, nem sempre foi assim e, apesar de não me lembrar bem, tenho bem enraízados os dias em que tanto comer como dormir custava-me muito. Muitíssimo. Daí, se calhar o meu aspecto mirrado e a crença generalizada de que eu tinha que ter algum problema de saúde. Porque criança que não corre, não salta, não se suja, não come e não dorme, não é seguramente normal. Para mim, era como se não se tratasse de necessidades fisiológicas, mas actividades que eu tinha que fazer e que, por acaso, não eram do meu agrado em criança.
Aparentemente, à noite, via coisas que me assustavam e desatava a chorar, num berreiro que terminava invariavelmente na cama dos meus pais. Tinham eles então, noite após noite, que ir buscar o sossego, e a desassossegada, ao berço, se quisessem ir trabalhar no dia seguinte com olheiras de bons pais e algumas horas de sono minimamente dormidas. Senão me instalassem lá bem no quentinho, bem no meio deles, não conseguiam descansar de todo. E lá vinha o meu pai, pacientíssimo como sempre, e pegava na menina ao colo, e deitava-a entre a minha mãe e ele e, pestana cola pestana, lá conseguiam os dois (e a menina) dormir umas horitas; o tempo suficiente para a minha bexiga esvaziar o muito que tinha para a fralda, que consequentemente se esborrachou na cara da minha mãe, meu assento sanitário improvisado. Acho que essa foi a última vez que dormi com os meus pais. Depois, seguiu-se uma temporada em que o berço e a menina foram para o quarto dos avós, temporada de curta duração, devido ao facto de a minha avó ter distendido um dos músculos do braço, à força de dar a mão à menina que sem essa segurança não conseguia adormecer. A esse seguiu-se um exílio maior, desta feita sem berço e directamente para o Colégio com a minha tia, a mando da maleita da minha avó e do quase-esgotamento dos meus pais. Lá conseguia dormir bem, sempre dormi bem no quentinho da cama dos adultos... Embora acordasse com o frio da ausência da minha tia na cama, sensivelmente às seis e meia da manhã. Aí começava eu o teste à concentração das Irmãs na Oração da Manhã da Comunidade. “Titiiiiiiiiiiiiiiaaaaaaaaa! Titiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiaaaaa!” Até às oito. Até à hora em que a Oração terminava e a minha tia trocava o seu pequeno-almoço por um vale de lágrimas e berros por entre o vale dos lençóis. Eu.
Para comer, igual dificuldade. Como a minha mãe ia trabalhar, ficava a menina aos encargos da avó. Mas a minha mãe vinha almoçar a casa. E dava-me uma ou duas colherinhas à boca. Depois, eram horas, tinha que ir. E a minha avó tentava terminar o que a minha mãe começara. E não fazia outra coisa, tarde fora, - era difícil, eu não queria, nunca queria, nada – e ela não fazia outra coisa e a ver se a coisa ia mais facilmente pela distracção mostrava-me, dia após dia, cada flor do jardim “…e vá, mais uma colherinha por esta flor tão bonita, e outra por esta, olha esta que bonita!!! E esta, não gostas?” E antes que eu dissesse palavra: “Vá, então outra por esta!” A meio do prato e da tarde(!), o meu estômago já acusava sobrecarga e por entre uma colher e outra lá arranjava fôlego para por termo ao crescendo vaivém de colheres, dizia: “Vó, mais não, senão vomito… não quero mais.” “Vomitas? Não vomitas nada, se vomitares, voltas a comer (!), assim!” – e lá ia mais uma, depois outra e outra e outra... Escuso-me a comentar o valor duvidoso da estratégia pseudo-pedagógica da minha avó, mas lá que resultava, resultava: a muito custo, feito o périplo habitual pelo jardim e a visita a todos os nossos animais domésticos, o prato do almoço era história. Finalmente. Mesmo à horinha do jantar!
Acho que a primogenia tem destas coisas. Primeira filha da minha mãe, primeira neta da minha avó, se espirava era pneumonia, se perdia os sentidos era epilepsia (um dia conto!...), se coçava os olhos era conjuntivite (para outro dia!...), se não tinha apetite era... tratar de comer… que faz bem, “dá saúde e faz crescer”!
E assim sempre nos meus dois primeiros anos de vida. Depois, nasceu a minha irmã e os meus dias de enjoadinha acabaram. Felizmente. A bem da Humanidade. Eu era a caladinha, ela a expansiva, eu a arranjadinha, ela a maria-rapaz, eu a certinha-educadinha, ela a traquinas-incorrecta, eu a quietinha-passiva, ela a pró-activa (que o digam os peixes da nossa lagoa que eu apregoava que queria na minha mão e que ela fez o favor de envenenar com sabão da roupa... só para me realizar o desejo!). Segundo a minha mãe a expressão "só não tocou o Sol porque..." só tem verdadeiro significado porque ela existe.
Não sei se para resolver o meu problema de nutrição ou por mero acaso, às refeições punham-nos, frente aos pais, lado a lado, eu e ela: eu a olhar para o meu prato, ela a comer o dela e a falar e a rir. Eu a olhar para o meu prato, ela a comer a minha comida e a falar e a rir. Ela: “Não queres?” E (tal como a minha avó!) antes que eu respondesse: “Está bem, eu como.” Eu, indecisa entre o semblante envergonhado e o estupefacto: “Mas… é meu…” Ela, despachada e alegre (como sempre!): “Mas não queres, nunca comes… Deixa que eu como.” Como se fosse um favor! Favor seria, porque eu não comia muito, mas comia um bocadinho mais do que o nada que ela me deixava no prato!... Não tinha resposta para ela. Fui deixando. E assim sempre até o dia em que ou a fome me finalmente bateu à porta, ou nasceu em mim o bichinho da competição, ou ambos, e comecei a comer ao mesmo tempo que ela e até consegui acabar primeiro! E fiquei cheia mas satisfeita, leia-se feliz. Por ter acabado primeiro.
Dava-me jeito que estivessem aqui. Agora. Ambas. A minha irmã e a minha avó. Ainda agora, à noite, continuo a ver coisas estranhas, não sei se as mesmas, nos meus sonhos. Retalhos de um quotidiano frenético, muitas vezes mal resolvidos na minha cabeça. O braço da minha avó. Quero. Agora começo novamente a embirrar com a comida, uma comida em que não me revejo e na qual é difícil e extremamente raro encontrar um equilíbrio entre o bom e o saudável. O apetite e a minha irmã. Quero.
Comer e dormir. Bem. Quero.

sexta-feira, outubro 20, 2006

Brewing, Knitting and Sewing Day Pics

Our working table and my scarf
Gu-Jing absolutely focused on her second knitting project (a cell pouch!)
My first knitting project
(Can you tell it's a scarf?)
Linda, our host, getting everything ready for brewing
Linda's home made beer (totally from scratch!)
Concentration...
O Belo... adormecido depois do almoco
(Esta tinha que ser em Portugues!)
Linda figuring out where the whole to put the thread in was
Vica trying her medieval shirt-to be
O que é que se faz quando se está em Fall Break, não se pode ir acampar porque chove torrencialmente lá fora, e se pretende distância absoluta do Departamento (e de tudo o que esse pacote inclui)?!...
Resposta muito simples: Acampa-se na casa de alguém.
Neste caso juntámo-nos todos ao útil (e ao agradável...) e como a Linda ia fazer a já celebre cerveja que traz para todos os eventos sociais do Departamento e, só por acaso, queria companhia (ou ajuda), lá fomos nós: a Gujing, a Vica, o Pascal e eu.
A Linda é das raparigas mais prendadas que conheço (e mais simples também): faz a sua própria cerveja, ocasionalmente a sua própria massa, tricot, crochet, alguma costura... e é em tudo e sempre de uma alegria simples, um entusiasmo contagiante; é daquelas pessoas que gostamos de ter por perto. Em todos os momentos. Além do que gosta imenso de partilhar momentos e ensinar tudo o que sabe, e assim sendo, aproveitei eu para aprender tricot, aproveitou a Gu-Jing para por em prática as lições, sumárias, do semestre passado, aproveitou a Vica para realizar o sonho de costurar uma camisa medieval e aproveitou o Pascal para ficar perto do love of his life, pasmar um bocadinho, babar outro tanto, e ler e descansar, que bem estava a precisar.
Na realidade, aproveitámos todos para descansar, fazendo coisas que o nosso quotidiano normalmente não nos permite: coisas simples, como cozinhar (o Veggie Curry da Vica estava uma delícia!), cantar, rir e sermos realmente amigos que isso é que é realmente importante.
O meu Fall Break foi assim. E não podia ter sido melhor.

quinta-feira, outubro 19, 2006

This Fall Break's Highlight


Movies
'Science of Sleep': When All You Have to Do Is Dream
By Desson Thomson
Washington Post Staff Writer
Friday, September 22, 2006; Page C05

Michel Gondry's romantic fantasy "The Science of Sleep" is something to appreciate with the unscientific part of your brain -- you know, the part that dreams.

Gondry -- you may recall -- was the director of "Eternal Sunshine of the Spotless Mind," the 2004 movie in which two star-crossed lovers, played by Jim Carrey and Kate Winslet, learn that while memories may be erased, the heart never forgets. "The Science of Sleep" is more playful. In it, two eccentric souls (Gael García Bernal and Charlotte Gainsbourg) discover love can bypass reality altogether -- all they have to do is live in a state of perpetual fantasy.

Hmmm, don't try this at home and expect to keep your day job -- but it's a thrill to enjoy vicariously. Gondry intensifies that feeling with a whimsical fusion of live action and animation. At any moment, for instance, characters might find themselves in a bathtub filled with cellophane instead of water, or floating like Marc Chagall figures above cardboard rooftops of Paris.

These and other fantasies emanate from the mind of Stéphane (Bernal), a young man unable to tell the difference between his dreams and reality. Following the death of his father in Mexico, he has recently flown to Paris, the city of his childhood, to rejoin his estranged mother (Miou-Miou). But Stéphane's French is minimal, and the typesetting job his mother secures for him makes no use of his artistic skills. (His portfolio consists of large illustrations of major disasters, such as midair plane explosions.)

So Stéphane retreats even deeper into his psychic world. In his most recurrent dream, he's the host of his own TV show -- its studio walls lined with egg cartons -- where he revisits childhood memories or processes his latest emotional problems. In another reverie, he recoils in horror as an electric shaver develops a life of its own and works in reverse, causing his new boss to sprout a Charles Mansonian beard and head of hair.

When he becomes attracted to Stéphanie (Gainsbourg), a soft-spoken neighbor across the hall, he recognizes a kindred spirit. She's loosely tethered to daily reality and her surrealistic home projects include a model boat made of fabric with trees onboard. But how do you ask someone out when you're not even sure you're awake?

Why Stéphane dodges reality -- he's been this way since he was 6 -- isn't specifically answered, though one assumes it's because of his parents' long-ago breakup. And why Stéphane and Stéphanie should be together (other than their oddball personalities and the obvious twinning of their names) is only superficially explained.

By contrast, "Eternal Sunshine," which had the added benefit of screenwriter Charlie Kaufman (who wrote "Being John Malkovich," "Adaptation" and Gondry's "Human Nature"), not only made the case for the romantic destiny of its couple, it posed provocative questions about love, memory and the role of the state.

"The Science of Sleep" never intends to be deeper than a magician's hat, its frantic playfulness recalling such inventive French capers as "Amélie" and "Zazie Dans le Métro." And its wonderfully low-tech stop-motion technique is not only a nod to Czech animator Jan Svankmajer but also a tacit rebuke to CGI-heavy fantasies such as "The Chronicles of Narnia" or the "Lord of the Rings" trilogy. Those epics may awe audiences with their digital lions or armies of moving trees, but they can't match the hands-on charm of a cloud made entirely of cotton wool.

There's also the irresistible appeal of Bernal, who has already endeared himself to audiences in movies such as "Y Tu Mamá También," "The Motorcycle Diaries" and "Bad Education." With his character's herky-jerky restlessness, slapstick antics and confused attempts at French and English, he suggests a talkies version of Buster Keaton -- perpetually flustered by the occupational hazards of daily life. And when, in a dream, his workmates hustle him toward a photocopier, he utters what passes for this movie's ultimate wisdom.

"It's a dream," he tells his colleagues. "We don't have to work in dreams."

The Science of Sleep (106 minutes, at Landmark's E Street Cinema and at five additional theaters a week later) is rated R and contains profanity, some sexual content and nudity. In French, Spanish and English with subtitles.
Escreverei sobre este filme proximamente (este Sábado ou Domingo...). Agora não tenho o tempo que o filme merece e a crítica do Washington Post parece-me suficientemente elucidativa (embora diga muito pouco acerca do que realmente interessa!). A não perder em Portugal!

quarta-feira, outubro 18, 2006

Voltei

... e muito melhor. Estava mesmo a precisar de uns dias fora do Departamento. Logo que possa posto fotos destes dias.

domingo, outubro 15, 2006

Uma aberta na chuva


Tango-Vermelho. Tango-Homem. Tango-Exuberância. Tango-Negro. Tango-Mulher. Tango-Ciência. Tango-Arte. Tango-Ser. Tango-Sabor. Tango-Saber. Tango-Rito. Tango-Ritual. Tango-Símbolo. Tango-Signo. Tango-Linguagem. Tango-Olhar. Tango-Escravo. Tango-Ébrio. Tango-Vulgar. Tango-Demorado. Tango-Sal. Tango-Rosa. Tango-Espinho. Tango-Nós. Tango-Café. Tango-Cor. Tango-Sangue. Tango-Morte. Tango-Perda. Tango-Prostíbulo. Tango-Dom. Tango-Amargo. Tango-Sede. Tango-Fome. Tango-Apócrifo. Tango-Forte. Tango-Revolta. Tango-Amor. Tango-Desamor. Tango-Dor. Tango-Prazer. Tango-Traição. Tango-Abandono. Tango-Boémio. Tango-Fugaz. Tango-Revolta. Tango-Escaramuça. Tango-Atracção. Tango-Repulsa. Tango-Avanço. Tango-Recuo. Tango-Calor. Tango-Físico. Tango-Desilusão. Tango-Ritmo. Tango-Verdade. Tango-Profundo. Tango-Salpico. Tango-Suor. Tango-Espiral. Tango-Luz. Tango-Sombra. Tango-Brilho. Tango-Brio. Tango-deus. Tango-Redondo. Tango-Prisão. Tango-Dádiva. Tango-Noite. Tango-Beijo. Tango-Gelo. Tango-Fogo. Tango-Voo. Tango-Evasão. Tango-Expressão. Tango-Impressão. Tango-Provocação. Tango-acordeão. Tango-Vulgar. Tango-Luta. Tango-Vitória. Tango-Derrota. Tango-Batalha. Tango-Labuta. Tango-Combate. Tango-Agora. Tango-Paixão. Tango- Íntimo. Tango-Presente. Tango-Oculto. Tango-Encarnado. Tango-Pessoal. Tango-Sopro. Tango-Ventania. Tango-Tormenta. Tango-Tormento. Tango-Sussuro. Tango-Vertigem. Tango-Loucura. Tango-Carne. Tango-Abraço. Tango-Dor. Tango-Conforto. Tango-Avanço. Tango-Recuo. Tango-Jogo. Tango-Corpo. Tango-Tronco. Tango-Colo. Tango-Suspiro. Tango-Vinho. Tango-Viagem. Tango-Copo. Tango-Feitiço. Tango-Entrega. Tango-Sonho. Tango-Queda. Tango-Insónia. Tango-Fatal. Tango-Água. Tango-Humano. Tango-Divino. Tango-Vida. Tango-Tango. Tango

sábado, outubro 14, 2006

Fall Break

Foto: Carina M. Madeira_de_Parapente

De hoje até à próxima terça-feira entro em introspecção forçada.
Período de Mid Term Recess. Introspecção gentilmente proporcionada pelas condições atmosféricas adversas ao meu outdoors break (choveu, chove e vai continuar a chover em Houston nos próximos dias...).
Assim sendo, acho que me fico pela alternativa indoors e vou finalmente aprender a tricotar.

sexta-feira, outubro 13, 2006

Que dia é hoje?...


O 13
Símbolo de desgraça: 13 eram os convivas da última ceia de Cristo, e dentre eles, Jesus que morreu na sexta-feira - daí a ligação ao horror (o número 13 provocaria HORROR nas gerações cristãs pela morte de Cristo!).
No quotidiano
Muitas pessoas evitam viajar em sextas-feiras 13;
No Teatro, a numeração dos camarotes omite, por vezes, o 13;
Em alguns hotéis não há o quarto número 13 (substituído pelo 12-a!).
Muitos prédios saltam do 12º para o 14º andar (!).
Há pessoas que pensam que participar num jantar com 13 pessoas traz má sorte (me!!!) porque uma delas, crê-se que a mais jovem (geralmente eu!!!) morrerá no período de um ano.
(E os efeitos nos computadores?!!!...)
Sorte e Azar Ontem e Hoje
A sexta-feira 13 é portanto considerada um dia de azar, tomando as pessoas supersticiosas (comme moi) algum cuidado relativamente às actividades planeadas para o dia.
Aparentemente a crença na má sorte do número 13 parece ter tido sua origem na Sagrada Escritura. No entanto, esse testemunho é entendido tão arbitrariamente que o mesmo algarismo, em variadas regiões do planeta - países cristãos inclusive - é considerado símbolo de boa sorte, dado que o 13 é um número afim ao 4 (1 + 3 = 4), sendo este um símbolo de prosperidade e consequentemente boa sorte. Assim sendo, na Índia o 13 é um número religioso muito apreciado; os pagodes hindus apresentam normalmente 13 estátuas de Buda. Na China, os dísticos místicos dos templos são frequentemente encabeçados pelo número 13. Também os mexicanos em tempos recuados consideravam o número 13 algo santo; adoravam, por exemplo, 13 cabras sagradas. Aqui nos EUA o número 13, ainda que permeável à superstição global, goza de alguma estima: 13 eram os Estados que inicialmente constituíam a Federação de Estados Norte Americanos. Além disso, a maxima latina da Federação Norte Americana (e do SLB), "E pluribus unum" ("de entre os demais, o melhor" - tenho imensas dúvidas quanto à adequação clubística do lema...), consta de 13 letras (azar, SLB!); a águia norte-americana está revestida de 13 penas em cada asa.

As lendas
Além do argumento cristão mais ou menos pessimista, existem 2 outras lendas que explicam a superstição. Uma conta que na Escandinávia existia uma deusa do amor e da beleza chamada Friga (que deu origem a friadagr, sexta-feira). Quando as tribos nórdicas e as alemãs se converteram ao cristianismo, a lenda exilou Friga, agora bruxa, no alto de uma montanha. Para se vingar passou a reunir-se todas as sextas com outras onze bruxas e o demo - totalizando treze - com o objectivo de rogar pragas sobre os humanos. Da norte europeu a superstição se terá espalhado por todo o continente.
Outra lenda nórdica, sen origem precisa. No valha, a morada dos deuses, houve um banquete para o qual foram convidadas doze divindades. Loki o espírito do mal e da discórdia, tinha ficado de fora e naturalmente decidiu aparecer, fez estrilho e na meio da confusão morreu o pai dos deuses. O paralelismo deste episódio com o relato bíblico da última ceia e evidente, servindo para consolidar a infelicidade de juntar 13 convivas.
"Superstição", do Latim superstitio, que significa "o excesso" ou "o que resta/sobrevive de épocas passadas". Na cultura romana, o vocábulo designava ainda a observância de cultos arcaicos, populares, não mais condizentes com as normas da religião oficial.
... As coisas que a net ensina...
Com sorte ou azar: Um dia feliz para todos!!!

Muito colinho à distância de um clique apenas...

Anne Geddes on amazon.com

Garantem os patrocinadores da Ajuda de Berço. Basta ir aqui: http://www.arcidadania.org

quinta-feira, outubro 12, 2006

Sobre o anúncio de hoje...

wikipedia

Orhan Pamuk, 54 anos, 6 obras editadas, 2 (Jardins da Memória e A Cidadela Branca) em Portugal, Prémio Nobel da Literatura 2006.





... acho que o ANTÓNIO LOBO ANTUNES tem que escrever menos!

Sobre ontem à tarde em Manhattan...

Atentado, não foi. Terrorismo, não foi.
Mas lá que provocou terror, provocou. Em NY e em todo o lado.
Até por cá: três aviões militares sobrevoaram o campus (e o centro de Houston, suponho), toda a tarde.
Nao é por estar em cá nos EUA e pretender ir a NY no Natal, é mesmo por ontem a noite o The Late Show with David Letterman ter começado com o voz-off a dizer "... Directly from New York, the best town in the world..." e me ter saído, imediatamente, quase sem querer: Pois, the best town in the world... até quando?

"Na primeira oportunidade que a Polónia teve, marcou. Na segunda, foi a mesma coisa." LFS

Palavras de Sua Excelência, o Seleccionador. Sua Excelência é que sabe. Sua Excelência avalia. Sua Excelência manda. Sua Excelência observa (?). Sua Excelência escolhe. Sua Excelência não explica. Sua Excelência é que manda. Sua Excelência é que sabe. Viu-se.
Euro’2008Portugal perde com a Polónia Reuters

Euzebiusz Smolarek apontou os dois golos polacos. A Polónia venceu Portugal, por duas bolas a uma, em encontro do Grupo A de apuramento para o Campeonato Europeu de Futebol 2008, realizado esta quarta-feira à noite no estádio Slaski (Chorzow), na Polónia.

Apesar de ter entrado bem na partida, a controlar o jogo, a selecção portuguesa acabou por ser surpreendida pela melhor eficácia do ataque polaco, chegando ao intervalo a perder por duas bolas a zero.
Aos 9 minutos, Radomski rematou forte, com Ricardo a defender com dificuldade, mas a deixar a bola ao alcance de Euzebiusz Smolarek, que não deu hipóteses na recarga.
Nove minutos mais tarde, Rasiak aproveitou da melhor maneira uma atrapalhação infantil entre o guarda-redes português e Costinha e efectuou um passe para Smolarek, que voltou a facturar.
No reatamento, Portugal não conseguiu alterar o rumo dos acontecimentos, com os polacos sempre mais perto de aumentar a vantagem no marcador.
Só já nos descontos, aos 92 minutos, é que Nuno Gomes assinou o tento de honra da selecção lusa, no seguimento de uma jogada construída por Maniche e Simão.
In Correio da Manhã, 11.10.2006
Não mais baterei no ceguinho, perdão, em Sua Excelência, o Seleccionador. Contra factos... E escusa de se voltar para os lados do Dragão. Não quero cá maus agoiros para os próximos jogos do meu clube nem pestilências perto da minha casa. Já agora, manda a boa educacão que manifeste a minha gratidão pelos momentos de humor de elevadíssima qualidade proporcionados esta noite...
Simultaneamente, deu Sua Excelência muita razão aquele chinês que eu conheci o ano passado e que, por acaso, confundia Portugal com a Polónia, ou melhor para ele, na Europa havia/sabia da existência da Polónia apenas, Portugal na Península Ibérica ao lado de Espanha, não, nunca ouviu falar... Inglaterra sim, França sim, Alemanha sim, Polónia sim...
O ano passado fiquei chocada com a ignorância, esta noite com a sabedoria.
Se calhar não existimos mesmo.

quarta-feira, outubro 11, 2006

Hoje chove. Apetecia-me...

Whistler's At The Piano (Taft Museum, Cincinnati)

... Für Elise e os Nocturnos de Chopin o dia todo. No nosso piano. Pelas mãos de quem sabe.

... enrolar-me na mantinha que deixei no Porto.

... o meu chá de canela e... chocolate para acompanhar.

Chove. Torrencialmente. (apesar do calor, da humidade, blah, blah, blah!).

O Outono chegou a Houston. E a mim também.


terça-feira, outubro 10, 2006

Porque eu estaria lá... se pudesse



"Armadilha para condóminos"
Teatro Helena Sá Costa - Porto
De 4 a 28 de Outubro - de Quarta a Sábado - 21h46

“Num hall de um prédio de apartamentos, quatro pessoas ficam presas durante toda a noite. O encontro de quatro almas, com os seus desejos e segredos. Esta não é uma história de partilha, esta é uma história sórdida. Uma viagem ao dark side da natureza humana. Até onde está um homem disposto a descer para proteger o conteúdo do seu saco do lixo?”
Ricardo Alves, Palmilha Dentada
Para conhecerem melhor a Palmilha:
Para conhecerem melhor o Teatro Helena Sá e Costa:

segunda-feira, outubro 09, 2006

domingo, outubro 08, 2006

Dúvidas

1) É grave, Teté?
Há quase um mês que não durmo direito (leia-se mais que duas horas seguidas, mais quatro horas por noite). Há três semanas que tudo o que durmo é feito de pesadelos, cada um mais tenebroso que o outro, uma manta deles feita de retalhos do dia-a-dia.
Continuo a embirrar com esta comida horrosa que é so sal e gordura e por isso como muito mal (leia-se as coisas erradas em quantias absurdas, as coisas certas em quantias ridículas).
Passo o dia cansada, com imensas dores nas costas, sem paciência nem energia. Consequentemente, presumo.
Tenho uma dor de cabeça que não me larga e consegue como poucas coisas me tirar do sério. Como se tivesse um gong em cada têmpora, o que me rouba a razão e a serenidade, o equilíbrio.
Preciso de... um par de óculos?
2) Como é que Édipo espiou a culpa?
O que é que se faz a alguém que nos persegue com aquele olhar que nos deixa à boa maneira da Vénus do Boticelli, mão na mão, cabecinha no ombro da namorada, em plena missa?
Do início. Eu até conheco o rapazito, ou melhor, já tinha dado pela existência do dito o semestre passado. Sempre que ia aos GSA BBQs (i.e. barbecues de graduate students) ele estava lá. Sozinho. E eu fugia-lhe. E costumava (ele) ir à missa com outras duas raparigas. E eu fugia-lhe. Não consigo explicar porquê. Não costumo fazer isso por se ter demonstrado ao longo dos tempos contraproducente. Quanto mais lhes fugimos... Bem, não costumo fazer isso. A não ser, claro, que a tal me aconselhe o meu sexto sentido... o que acontece a maior parte das vezes precisamente quando não quero fugir, mas enfim... Voltei a encontrá-lo numa das últimas sextas-feiras no primeiro GSA BBQ deste ano lectivo. E novamente o olhar. E novamente lhe fugi. Só aí me apercebi de que não tinha (ele) ido à missa ate então, mas depois desse BBQ, no Domingo, já lá estava. Sozinho. Novamente o tal do olhar. Making a long story short, hoje com a namorada mostrou-me porque gosto tanto deste meu sexto sentido. (É certo que reclamo contra isso muitas vezes, possivelmente demasiadas.) Dá-me muito jeito. Hoje também retribui-lhe os olhares não certamente com o que ele queria mas com o que merecia e já estava a pedir há muito, tadinho... Agora só se for muito estúpido, o que também não me surpreenderia de todo, é que me obriga a mostrar-lhe como é que o Édipo espiou a culpa.
Estou piurça!!!
3) Run, Forrest, run!
Ontem vi na rubrica Saturday night Classics da TNT um dos meus filmes predilectos: Forrest Gump. Porque a cada passo me emociono com a sabedoria e a capacidade de tocar tantas vidas de uma maneira tão bonita que só aquela personagem tem. Porque de cada vez que alguem lhe diz "Are you stupid?" penso em mim. Nas pessoas que ja passaram pela minha vida, naquele miúdo que tinha uma família disfuncional e me fez das aulas um inferno, naquela que se apegou a mim de uma maneira pouco saudável, no NEE ao canto, no fundo da sala, no que não conseguia escrever uma letra que fosse sem que eu estivesse ao lado dele... Penso em mim. Quando era miúda e pouco falava, observava só, e os amigos da e a própria família foi consensual: "... algum atraso anda para ali". Porque é que a diferenca é antes de mais um atraso? Quando estava na escola primária e antes de puxarem por mim e me por forçarem a não ser gentil e deixar os meninos que não sabem tirarem dúvidas e aprenderem, antes de ser a melhor da turma, era a miúda com um problema, aquela quietinha, caladinha, a que nunca fala. Quando estava no quinto ano e antes dos primeiros testes, antes de ser a melhor da turma, e a participação nula em aula me tinha dado negativa a todas as disciplinas. Penso em mim. Nestas e noutras tantas situações...
"Stupid is who stupid does." - my mama always told me...
4) Sou filha de um “Português Exemplar”

Até há bem pouco tempo não fazia ideia que havia uma Medalha de Mérito para o Exército que se destina aos efectivos que durante a carreira militar não cometeram nenhum delito, não tendo sido nunca alvo de qualquer inquérito ou punição disciplinar, portanto.
Esta medalha foi atribuída ao meu pai a semana passada. Resultado: Festarola. Dentro dos limites impostos pelos cerca de 1800 kms2 de distância da maioria, claro. Por miúdos: Telefonemas da prole, tele-felicitações, tele-beijinhos e tele-abracinhos. (Quanto às felicitações por parte da minha mãe não me pronunciarei. Obviamente.) Minutos depois, já em animada conversa com a minha mãe, pergunta a minha irmã mais nova, do alto do seus dezanove anos, com a argúcia que desde sempre tão bem a caracteriza: “E aumento no ordenado, não? Quando um universitário é premiado pelo mérito, além do diploma recebe um cheque…”
Pois. Sintomático. Da crise dos símbolos na era moderna. Creio.
E vieram-me à memória imagens distantes do colégio, dos meus doze anos e das aulas de Formação Cristã (seria este o nome?) Bem, na catequese (para todos os efeitos era disso que se tratava) aprendemos, aprendi eu pelo menos, que um Sacramento é – e efectiva-se através de – um símbolo, e a Irmã (ou o Padre? Já não me lembro…) obrigava-nos a repetir vezes sem conta “Sacramentos são sinais exteriores que marcam uma realidade interior”. Como sou muito sensível à repetição, a noção e respectiva definição ficaram algures no meu subconsciente e emergiram agora a propósito da lucidez da minha irmã. Resumindo, se um Sacramento é um símbolo, da mesma forma, um símbolo também pode ser um sacramento, pensei. O problema está em que hoje em dia quem quer saber dos Sacramentos. Nem dos símbolos. Ninguém. Não são aliciantes. Não têm atractivos. Por que darão motivação? Não enchem barriga. Não dão aumentos salariais, nem baixam os impostos, nem permitem uma reforma antecipada. Na realidade não dão nada. Mas vêm com uma anilha de papagaio apensa. Seja a anilha a maledicência e a inveja dos não-agraciados, seja a inclusão num grupo ao qual nem todos os agraciados estão preparados para pertencer. Senão pensemos. Quem quer saber de alianças quando recebemo-las três dias depois do início do namoro? Quem quer saber do véu se tem que ir para a mochila à entrada da universidade (especialmente se for a Sorbonne!)? Ou do sari que só se usa nos casamentos de preferência na terra natal? Ou da aliança que vai para o bolso durante a hora do expediente? Ou do hábito religioso que vai na mala porque senão no avião todos olham de canto?...
Furtar-se a envergar um símbolo é quanto a mim ter problemas interiores, possivelmente vergonha de si próprio. Digo eu, que fui dar aulas na Universidade de cachecol do FCP ao pescoço quando ganhámos a Champions. E que fui consequentemente criticada por isso. (Somos uma sociedade com problemas. Está visto.)
Esperar que uma recompensa pecuniária acompanhe um símbolo é a frescura da adolescência a falar mais alto que o drama de um país falido. De tudo. Mas sobretudo de pessoas exemplares. Além do que as melhores coisas da vida são, sempre foram, gratuitas. Descanse o nosso PM (e o meu conterrâneo detentor da pasta da Administração Interna) que me enche de um orgulho imenso, muito maior do que o oceano que nos separa actualmente, saber que aquela pessoa que me ensinou a juntar vogais e consoantes e a ler, que me levou a apanhar amoras, pêras e figos, que me comprava gelados nas festas e que ainda hoje me leva àquela praia nova ou àquele novo café, àquela livraria ou àquele centro comercial que não existia da última vez, conseguiu ao longo dos anos granjear uma admiração que galgou naturalmente as fronteiras dos seus pares. Na verdade, saber que a bonomia que sempre o marcou carácter do meu pai foi reconhecida pelas altas patentes do Exército é, para além de admirável e confortante, um autêntico desafio! A mim que não vivo sem símbolos, sacramentos e rituais, dá-me motivação, esperança no futuro e vontade de seguir pelos mesmos trilhos e deixar florir a genética da exemplaridade. Ao mesmo tempo que me enche de orgulho faz-me feliz. Muito mais do que se lhe tivesse dado um aumento. Nenhum “Português Exemplar” é aumentado em Portugal. E a poucos, muito poucos, é atribuída esta condecoração. Indubitavelmente.

sábado, outubro 07, 2006

Para a menina Olga…


“Cabeça amarela” do Lar, “Bolachinha Maria” e “Britneyuma salva de todas as palmas do mundo. Corações ao alto, corações nas palmas. Para ti.

A Olga e eu tirámos o mesmo curso na mesma cidade, embora em universidades diferentes. Somos ambas professoras, agora estudantes. Por razões diferentes. Porque a vida leva-nos onde nunca pensámos sequer e a única âncora que temos são as amizades que se fazem ao longo desse percurso mais ou menos atribulado.
Durante os cinco anos do meu curso morei num Lar Universitário. Na Madeira ficava toda a gente mais descansada se assim fosse, eu não tinha nada contra e, no final, gostei tanto da experiência, que depois do curso anda morei lá mais dois anos. Muito choro, muita lágrima, à saída… Uma outra história. Para depois.
No Lar também há praxe. Numa versão naturalmente mais soft. Ou não. Dependendo da autoria moral das actividades praxísticas.
A Olga foi para o Lar quando eu estava no terceiro ano da Faculdade. Então, à semelhança do que se fazia todos os anos, na primeira semana de Outubro realizava-se a Festa de Recepção à Caloira no Lar. A festa subordinava-se a um tema, acordado entre o grupo das mais velhas, e o que se pretendia era que cada caloira se disfarçasse de acordo com o tema (a originalidade da fatiota era premiada, claro!), apresentasse uma rábula e dedicasse uns versos à Irmã que lhe tivesse saído em sorte. O objectivo não era tanto praxá-las (não foi pelo menos nesse ano em que eu fazia parte do grupo das mais velhas), mas fazer com que se nos dessem a conhecer, conhecessem melhor o Lar (leia-se as Irmãs, atribuições, ocupação e feitio…) e se divertissem, claro!
A semana anterior à tão anunciada festa era pródiga em partidas, algumas pouco agradáveis, confesso: tinham as caloirinhas, geração após geração, que pôr a mesa às mais velhas (que por sua vez escondiam os copos e os talheres, para que elas não conseguissem realizar a tarefa eficientemente), ir buscar a comida e servir (embora tal não fosse permitido segundo as regras da casa), e outras tarefas do género, mas nada mais para além disso, nada que lhes ponha em causa a dignidade humana…
Mas nesse ano quisemos, quis eu, mudar um pouco as coisas e agitar o Lar de uma maneira diferente. Então, com o consentimento de quem de direito (a Directora, obviamente!) fomos, fui eu, mais longe. Fizemos, fiz eu, inúmeros desenhos coloridos, a giz, nos espelhos dos quartos, espalhámos, espalhei eu, pasta de dentes nos lavatórios, mudámos, mudei eu, de sítio as escovas para as gavetas das secretárias, os lápis para o armário, os relógios e as fotografias dos familiares e dos namorados para já não me lembro onde, retirámos, retirei eu, os lençóis e os edredões das camas e pusemo-los, pu-los eu, nos cestos da roupa suja, e até um colchão desviámos para a salinha do telefone, desviei eu! Fomos más! Fui. Admito. Mas elas, à excepção de uma que decidiu ir dormir a casa dada a ausência dos lençóis, não levaram a mal. (Ainda bem. Eu teria levado!)
Chegada a noite da festa de recepção, indicativa do término da semana de partidas, todas nos impressionaram e marcaram de uma forma ou de outra, para o melhor e para o pior também. Não me recordo já do tema desse ano, nem da qualidade das rimas que dedicou, mas lembro-me dos dois totós loiríssimos da Britney Spears, a personagem que encarnou e que se tornou imagem de marca da Olga até na Universidade (em virtude de ter lá aparecido assim no primeiro dia – ingenuidades de caloira!); além disso recordo-me de muito pouco com pormenor. Apenas do desconforto e do pedido de desculpas no olhar – tão diferentes da alegria simples e gratuita com que nos tinha brindado semana fora – quando lhe pus a fita, de papel higiénico, com que a elegemos Miss Simpatia, tal como fizemos com a Mariana no ano anterior, tal como me fizeram a mim dois anos antes… Nunca percebi o porquê desse constante desconforto na expressão corporal e do pedido de desculpas por existir e ser assim, como é… Ainda hoje é muito assim. Porquê? Não sei bem. Por simplicidade, talvez. Aquela simplicidade que possuem e exalam todas as pessoas grandes…
Nesse ano a Olga partilhou o quarto com outra caloira por acaso do mesmo curso – uma rapariga muito revoltada, a tal que foi para casa por causa da falta de lençóis, e que no fim desse ano decidiu deixar o Lar – mea culpa, sinto muito, eu sei, exagerei, possivelmente hoje não o teria feito, mas quando se tem vinte anos (e já se aprendeu que ser crescido não compensa!) é-se naturalmente inconsequente. Ao decidir ir para um apartamento, essa menina deixou a Olga a braços com uma decisão dificílima: escolher com quem iria dividir o quarto no ano seguinte. Tinha duas hipóteses: ou elegia de entre as mais velhas o mal menor – que isto de dormir com o inimigo tem muito que se lhe diga… E sim, quase dez meses após essa fatídica semana de recepção as mais velhas são ainda olhadas de soslaio. Por algumas. Só. Felizmente. (É muito aborrecido ser-se considerado Inimigo Público Nº 1 e terem feito de nós a imagem diametralmente oposta do que somos por causa de uma brincadeira. De gosto duvidoso, é verdade, mas...) –, ou saltava para o desconhecido e ficaria à mercê de alguém novo no Lar (o que é sempre um risco de consequências absolutamente imprevisíveis!). Mandou a razão que optasse pelo mal menor. E o mal menor fui eu. Por acaso. Ou talvez não. (Que isto da simpatia é sempre muito mais que uma fita de papel higiénico num Outono de 98. É uma impressão digital. Ou se tem e faz parte de nós e exalamo-la por todos os poros a todo o momento – comigo é assim… Porque sou muito maternal e trato toda a gente como gostava que me tratassem a mim e faço a caminha, a papinha, o que for, para que se sinta bem e em casa e não mexa um dedinho sequer para o que quer que seja. O que também é mau. E não agrada a toda a gente. Nem a mim, agora, muitas vezes. Ou não se tem e conquistamos as pessoas de outras maneiras. Que também as há. Tantas e possivelmente tão mais admiráveis…)
Por acaso. Ou talvez não: a verdade é que esse ano lectivo, o meu terceiro e o primeiro da Olga, não me foi particularmente feliz em termos pessoais, perdi da pior maneira possível uma das minhas melhores amizades de sempre e tive que conviver com ela e com isso ano fora, nas mesmas actividades, nos mesmos lugares, enfim na mesma casa. Sem querer e quase sem me aperceber, não tivesse a Olga me alertado para esse facto, estávamos, estava eu, a criar cisões naquele grupo que era verdadeiramente fantástico. Estava eu porque era a mais forte, a representante das alunas, a líder, a que arrastava toda a gente atrás. A que tinha as maiores responsabilidades e o fardo do dever. De ser modelo. Ou a que tem a mania que manda, como também me disseram. Como queiram.
Então, achei por bem fugir. Abrir mão. Deixar ir. Em liberdade. Devagarinho. E decidi: no ano lectivo seguinte, no meu quarto ano e segundo da Olga, faria Erasmus. Fui. Fiz. Troquei experiências e vivências, aumentei os meus conhecimentos, cresci muitíssimo; simultaneamente, promovi melhor ambiente no Lar, levando na mala o ar pesadíssimo, de cortar à faca, com que terminámos o ano lectivo anterior, tornei mais fácil a vida à minha outrora amiga e respectivo séquito e, muito importante, facilitei a escolha à Olga, que teria o quarto só para ela no primeiro semestre, durante o tempo que eu estivesse em Paris – o que aconteceu de facto desde Setembro até Março. Depois voltei. Com a Primavera e com o problema por resolver. E o ar do Lar voltou a ficar pesado e cinzento. E voltei à liderança, à representatividade – mantidas curiosamente pela minha outrora amiga –, voltei ao que era mas não como era. Outrora. Voltei mais seca, mais amarga, mais fria. Mais outra, menos eu. E a Olga esteve lá. Sempre. Nesse e nos anos que se seguiram, até há bem pouco tempo. E aturou os meus ataques de fúria (que os tenho muitos e amiúde), os meus amuos, as minhas intolerâncias, os meus devaneios, as minhas reflexões existenciais e as minhas teorias psico-sociológicas, as fotografias do Príncipe pelo quarto todo (pela minha parte do quarto), a baba daí resultante pelo quarto todo, a minha obsessão pelas Tunas pelo quarto todo, as toneladas de roupa (de cama, de banho e em geral), sapatos, livros, cadernos, artigos e dossiers pelo quarto todo (é no que dá ser da Madeira), o tic-tac inqualificável do único despertador que me acorda pelo quarto todo e, last but totally not least, os meus famosos vipes TPM (que nem eu consigo tolerar de tão maus, muitíssimo piores que os meus ataques de fúria!). Não sei o que é que se pode dar em reconhecimento a uma pessoa assim. Maravilhosa. Beatificação? Canonização? Óscar? Nobel? Euro-milhões? Por mim ganhava uma mescla de tudo. Porque também tinha os seus problemas, pessoais, familiares e de saúde, muito mais graves do que os meus, e só sendo profundamente ágil, engenhosa, inteligente e santa (e malfadada!) para me aturar nesses tempos sem deixar escapar o “Basta!” que eu merecia. E boa, intrinsecamente boa pessoa, para conseguir ao mesmo tempo manter a serenidade e a calma, a sanidade mental num ambiente familiar profundamente adverso e a guerra-fria entre as duas facções, sem deixar de falar e ser alegre e conviver e ser amigo de quer quem que fosse nos dois lados da barricada, em casa, no Lar, na vida. Porque sei que ao longo dos anos este dia ficou na memória como uma lembrança vaga, às vezes forçada, profundamente marcada pela incompreensão, pela revolta e pelo gelo e pelo sal das lágrimas; porque sei que este dia só é celebrado com alegria se calhar à semana e portanto houver a possibilidade de reunir os amigos; porque sei que hoje é Sábado e isso significa casa e gelo e vazio e ausência. De bolo. De alegria. De celebração. Porque ela não tem culpa, não merece e não devia nunca ter que passar pelo que passa. Porque nada do que podia premiá-la eficazmente está nas minhas mãos. Ao meu alcance.

Olga,
Porque ponho nas minhas mãos agora o coração e este post e dou-tos com o pedido reiterado a Quem realmente pode, que Ele ou a vida ou o universo, te abençoe e te dê em dobro tudo aquilo que me deste e que sejas assim muito, muito, muito feliz e consigas descobrir e alcançar o caminho da tua realização pessoal e profissional. Mereces tudo! Como poucos. Por me aturares. Por te teres ido embora de todas as vezes que devias ter explodido. Por me teres respondido à ofensa com o silêncio e um sorriso. Por me teres ensinado tanta coisa. Por me teres mostrado outro tanto. Pela tua amizade. Por seres assim. Exactamente assim. Por tudo o que não me recordo agora. Obrigada por este dia, obrigada por existires! Aqui fica a mais que merecida homenagem e … Parabéns!